16/11/2015

10º Encontro Premium Club Imobuy & Nexus



O 10º Encontro Premium Club aconteceu neste Sábado dia 14 de Novembro de 2015 com uma carreata de veículos super esportivos incluindo carros como uma Ferrari 458 Speciale, Audi R8 V10, uma Ferrari 360 F1 Modena V8, Porsches, Mercedes Bens, Camaro, além de motos Ducati e BMW, entre outras marcas de luxo que desfilaram na tarde deste Sábado pelas ruas de Goiânia.

Essa edição aproveitou o lançamento do maior empreendimento business do centro-oeste, o Nexus Shopping & Business no coração da Capital, levando os associados do Premium Club de Goiás e convidados para uma grande confraternização unindo lazer e negócios.


Os associados reuniram na loja Reis Motors às 15:00 e saíram em carreata as 16:30 desfilando pelos principais pontos da cidade, chegando ao Stand do Nexus as 17:30 onde foram recepcionados pelos corretores da Imobuy que apresentaram aos associados as condições exclusivas do empreendimento e depois foram servidos por um coquetel ao som da DJ convidada Luciana Praude, organizado pela Maison Florency e oferecido pela Construtora Consciente e JFG Incorporações.


O evento contou com a participação exclusiva do Clube de veículos de luxo Premium Club de Goiás, Reis Motors, Consciente Construtora, JFG Incorporadora, Extra Power, Flagra Gyn, Exclusivos de Goiânia, RC8 Produções, Sólida Comunicação visual, Batalhão de Trânsito da Polícia Militar e Secretaria Municipal de Trânsito.




Goiânia, 16 de Novembro de 2015
Fotos: Gustavo Leandro Silva
Gustavo Leandro Gerente de Marketing | Diretor de Arte

Formado em Administração, Design Gráfico, Web Design e Pós-Graduado em Mídias Digitais é atualmente Gerente de Marketing e Diretor da Arte na Imobuy Imobilíaria.
marketing@imobuy.com.br

14/09/2015

Nexus: O novo Complexo Multiuso em Goiânia


Nexus: Complexo multiuso terá investimento de R$ 550 milhões

Obra reúne salas comerciais, lajes corporativas, hotel executivo, centro de convenções e shopping center

Nexus Shopping & Business: obras serão iniciadas em 2016, com previsão de entrega para 2020

Com investimento de R$ 550 milhões, a Consciente Construtora e Incorporadora e a JFG Incorporações lançam no mês de outubro, em Goiânia, o Nexus Shopping & Business. O empreendimento, localizado na avenida D, esquina com a Avenida 85, no Setor Marista, reunirá três torres que vão abrigar salas comerciais, lajes corporativas, hotel executivo, centro de convenções modulável, ambos ancorados em um shopping center.
As obras serão iniciadas no próximo ano, com previsão de entrega para 2020. São mais de 136 mil metros quadrados de área construída (veja quadro). O projeto é resultado de três anos de estudos mercadológicos, que identificaram a demanda potencial da capital por mais conectividade para os negócios.
De acordo com o presidente da Consciente Construtora e Incorporadora, Ilézio Inácio Ferreira, o empreendimento irá concentrar as atividades e, assim, gerar sinergia entre negócios. “O local estará preparado para as atividades corporativas, assim como para hospedar turistas, realizar grandes eventos, além de disponibilizar um shopping com lojas e conveniências, sem qualquer deslocamento”, afirma.
Questionado sobre o atual cenário econômico do País e o impacto para o projeto, Ilézio afirma que este foi um amortecedor da decisão tomada pela empresa. “As pessoas aptas para investirem não se arriscarão, sendo o imóvel a melhor opção de aplicação de médio e longo prazo”, diz.
Trânsito
“Acreditamos que existe demanda. Quem comprar agora terá a sala comercial, por exemplo, com preços valorizados até 2020. Não existe nenhum cenário que desqualifique um investimento nesse momento. A expectativa é de que todas as salas sejam comercializadas nos próximos três anos. Esse desenvolvimento econômico terá forte expansão”, frisa.
Quem trafega pela região onde o Nexus Shopping & Business será inserido sabe que o fluxo de veículos é intenso e o trânsito complicado. Ao imaginar um empreendimento de tal porte, o primeiro questionamento é se a situação se agravará com a movimentação proporcionada. Ilézio explica que essa também foi uma preocupação do projeto e, por isso, foi elaborado um estudo de impacto de trânsito.
“O empreendimento teve o cuidado de não apenas atender esta demanda que ele próprio vai gerar nesta região da capital, mas também de ampliar as medidas que vão reduzir seu impacto no trânsito com o objetivo de melhorar o fluxo de veículos e o conforto da população”.
A primeira medida é o estacionamento do Nexus, que será construído em dois subsolos e oito pavimentos de deck. Na prática, o estacionamento poderá atender tanto a demanda do complexo quanto a demanda do comércio e serviço da região.
Segundo o presidente da Consciente Construtora e Incorporadora, também serão criadas faixas de acesso laterais às avenidas D e 85 para comportar os veículos em espera, que terão capacidade para até 21 carros enfileirados. “Reservamos ainda uma ampla faixa no terreno do empreendimento, na Avenida D, com 1.115 metros quadrados, que será transferida ao município para a implantação do Eixo Corredor T-8. Esta faixa permitirá ampliar a via urbana, melhorando o fluxo de veículos na região”, diz Ilézio.
Outras medidas para melhorar o tráfego já estão em estudo pelos empreendedores do Nexus com área de influência num raio de 14 cruzamentos do empreendimento, o dobro do exigido por lei, e para atender a demanda dos próximos dez anos a partir do início de sua operação. A legislação exige cinco anos.
Fonte: http://www.opopular.com.br/editorias/economia/complexo-multiuso-ter%C3%A1-investimento-de-r-550-mi-1.942691




Gustavo Leandro Gerente de Marketing | Diretor de Arte

Formado em Administração, Design Gráfico, Web Design e Pós-Graduado em Mídias Digitais é atualmente Gerente de Marketing e Diretor da Arte na Imobuy Imobilíaria.
marketing@imobuy.com.br

21/08/2015

Preço médio do m² em Goiânia tem alta de 9,4%


Valor do m² de apartamentos na capital chegou a R$ 4,6 mil no primeiro semestre deste ano, aponta Ademi.




Mesmo em tempos de vacas magras, dados apontam que investir no mercado imobiliário goianiense é um bom negócio. A evolução do preço do metro quadrado chegou a 9,4% no primeiro semestre deste ano, no comparativo com mesmo período de 2014. Já quem adquiriu um apartamento na capital em 2010, no momento do boom do setor, teve rendimento médio real, já descontada a inflação, de 33%. Por outro lado, o consumidor vai pagar mais caro pelo imóvel novo.

Os dados foram apresentados ontem durante divulgação da Análise Semestral do Mercado Imobiliário de Goiânia e Região Metropolitana pela Associação das Empresas do mercado Imobiliário de Goiás (Ademi-GO). A queda no volume de terrenos, o posicionamento geográfico e a maturidade do mercado goiano são as principais justificativas para esse rendimento ascendente.

Mas se em algumas capitais do País o excesso de estoque de apartamentos, aliado à retração nas vendas estão promovendo uma espécie de “queimão” de imóveis, não há indícios de que o mesmo ocorra no mercado local.

A tendência, inclusive, é de que haja pressão para cima nos valores. A justificativa é o aumento significativo nas taxas municipais e, sobretudo, de cartório. “Um empreendimento médio cuja taxa ficava em R$ 30 mil no ano passado, agora está em R$ 150 mil”, ressalta o presidente da Ademi-GO, Renato Correa. Elevação dos preços das taxas de energia elétrica e água, além de mão de obra, contribuem para esse movimento. Atualmente, o valor médio do metro quadrado na capital é de R$ 4.600,00.

  • Estoque


O estoque de apartamentos, casas em condomínios, salas e apartamento-hotel em Goiânia é de 9.037 unidades. Em 14 meses, teoricamente, se não fosse lançado nenhum empreendimento, não haveria mais nenhum imóvel disponível na capital. O ritmo de liquidez é considerado acelerado. Em Belo Horizonte, para se ter ideia, onde o número de imóveis disponíveis é um terço inferior, o período para liquidar os imóveis é de 37 meses.

A casa é o tipo de imóvel que mais sofreu queda no estoque. Em janeiro de 2014, eram 652 unidades ante 92 unidades em igual período deste ano.

Fonte: http://www.opopular.com.br/editorias/economia/pre%C3%A7o-m%C3%A9dio-do-m-tem-alta-de-9-4-1.927727
Gustavo Leandro Gerente de Marketing | Diretor de Arte

Formado em Administração, Design Gráfico, Web Design e Pós-Graduado em Mídias Digitais é atualmente Gerente de Marketing e Diretor da Arte na Imobuy Imobilíaria.
marketing@imobuy.com.br

31/07/2015

Entenda o pacote de “bondades” da Caixa e do Banco do Brasil




Muitos ainda estão comemorando o pacote de “bondades” da Caixa e do Banco do Brasil publicados na última semana.

Afim de esquentar um pouco os financiamentos residenciais, as instituições financeiras resgataram as regras da instrução normativa nº 58 de 04/12/2007 do Ministério das Cidades que regulamentou o programa especial de crédito habitacional ao cotista do FGTS, ou FGTS Pró-Cotista. Aliás, em tempos de “vacas magras” da caderneta de poupança, o mercado tem que buscar rapidamente um funding alternativo, senão corre o risco de colapso.

Veja abaixo os motivos que levaram a ascensão do FGTS Pró-Cotista:
Após a redução do percentual de financiamento para 50% em 04 de maio de 2015 pela Caixa e records de retirada de recursos da caderneta, o Governo iniciou a busca pelo substituto temporário da poupança. Antes uma linha dedicada para pequenos financiamentos, o FGTS Pró-Cotista tornou-se em 27 de maio de 2015, um paliativo para a retirada intensa de recursos da poupança. Neste dia, o conselho curador do FGTS aumentou o orçamento do Pró-Cotista para R$ 4,9 bilhões, ao invés dos míseros R$ 800 milhões destinados anteriormente.

Nota-se que na última semana, o Banco do Brasil anunciou uma linha de aproximadamente R$ 1 bilhão e a Caixa de R$ 4 bilhões. Entenderam que não foi “bondade” das instituições, e sim estímulo do conselho curador concedido há quase 2 meses?

Outra mudança foi o teto do FGTS Pró-Cotista. Até 2013, o financiamento estava limitado a imóveis de até R$ 500 mil. Uma decisão do governo elevou, à época esse limite para R$ 750 mil em MG, RJ, SP e DF, e até R$ 650 mil nos demais estados. No mesmo dia de maio, o conselho curador reduziu para R$ 400mil. O objetivo do FGTS Pró-Cotista é destinar recursos financeiros exclusivamente para trabalhador titular de conta vinculada do FGTS, e manter a sustentação do financiamento. Incentivar apenas a compra de imóveis até R$ 400 mil engessa a faixa acima que se vê dependente da captação e retirada dos recursos da poupança.

Outro motivo que estimulou a aceleração do uso do FGTS Pró-Cotista é que suas taxas se adequam às novas taxas de correção do fundo de garantia que serão votadas no retorno do recesso parlamentar. O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), protocolou no dia 05 de maio de 2015 o projeto de lei que propõe a alteração do cálculo da correção do FGTS. Pela proposta os depósitos do FGTS seriam corrigidos com o mesmo índice previsto para a caderneta de poupança, a partir de janeiro de 2016. Atualmente a regra de capitalização do FGTS é de 3% ao ano mais a Taxa Referencial (TR). Se aprovada, a nova lei elevaria o percentual para 6,17% ao ano mais a TR. Ou seja, o FGTS Pró-Cotista se salvaria, em contrapartida as menores faixas do Minha Casa Minha Vida ficariam comprometidas em virtude da baixa taxa de juros.

Em tempos difíceis o mercado precisa se adaptar às novas oportunidades. Com a escassez dos recursos da poupança, o FGTS brota como paliativo financeiro. Ainda com boas taxas de juros e alto percentual de financiamento, é uma ótima opção para tempos conturbados, entretanto não havia necessidade de se reduzir o teto de financiamento da linha. É um erro de estudo de mercado que incentiva um nicho de imóveis e trava outro. Enquanto isso os imóveis acima de R$ 400 mil terão que continuar se adaptando às regras do SFH e aos limites de percentual de financiamento, sem as “bondades” do FGTS Pró-Cotista.

Fonte: Resumo Imobiliário

Moisés Cainãn Gerente de Marketing | Diretor de Arte

Formado em Administração, Design Gráfico, Web Design e Pós-Graduado em Mídias Digitais é atualmente Gerente de Marketing e Diretor da Arte na Imobuy Imobilíaria.
marketing@imobuy.com.br

24/07/2015

Preço dos imóveis tem queda real no primeiro semestre do ano




São Paulo - O preço médio do metro quadrado dosimóveis no país registrou queda real de 4,45% nos seis primeiros meses do ano, segundo o Índice FipeZap.

A queda real acontece quando a alta no preço médio de um determinado bem é inferior à alta generalizada de preços, medida por índices inflacionários, como o IPCA.

De janeiro a junho, os preços tiveram alta de 1,38%, variação inferior à inflação estimada pelo IBGE para o período, de 6,10%.

O índice mostra também que nos últimos 12 meses encerrados em junho os preços subiram 4,52%, abaixo do IPCA esperado para o período, de 8,82%. É o sexto mês consecutivo no qual há queda real de preços em 12 meses. 

Pela oitava vez seguida, o índice também apresenta queda real na variação de preços mensal. Enquanto o metro quadrado subiu 0,13% em junho, a expectativa é de alta de 0,72% do IPCA para o mês.

No acumulado de 2015, 19 cidades do índice registraram variações menores do que a inflação, com exceção de Florianópolis, onde os preços subiram 6,66%. Niterói, Brasília e Curitiba tiveram queda nos preços nos primeiros seis meses do ano.

O Rio de Janeiro continua registrando o metro quadrado mais caro entre as 20 cidades pesquisadas pelo FipeZap, de 10.643 reais, seguida por São Paulo, onde o metro quadrado custa, em média, 8.593 reais. Já o preço médio do metro quadrado mais barato é registrado em Contagem (3.550 reais) e Goiânia (4.162 reais).

Veja, na tabela a seguir, a variação dos preços dos imóveis à venda nas 20 cidades acompanhadas pelo FipeZap. A lista foi ordenada de acordo com a variação em junho.

RegiãoVariação mensal junho/15Variação mensal maio/15Variação em 2015 (acumulada no ano)Variação anual (últimos 12 meses)
Florianópolis2,17%1,76%6,66%7,81%
Porto Alegre0,49%0,70%2,10%6,65%
Santo André0,35%0,47%2,35%7,44%
Brasília0,29%-0,04%-0,95%-0,69%
Campinas0,29%-0,65%2,218,08%
Santos0,27%0,59%2,39%6,58%
Contagem0,25%1,11%3,84%6,55%
Fortaleza0,25%0,69%3,50%5,62%
Salvador0,24%0,17%1,78%4,86%
São Caetano do Sul0,17%0,09%1,26%4,17%
Vitória0,13%0,80%3,40%9,40%
Índice FipeZap Ampliado (20 cidades)0,13%0,16%1,38%4,52%
São Bernardo do Campo0,12%-0,05%2,13%7,44%
São Paulo0,09%0,17%2,20%5,06%
Goiânia0,02%0,15%1,43%7,75%
Belo Horizonte0,03%0,13%1,31%7,25%
Rio de Janeiro0,01%-0,11%0,58%2,90%
Curitiba-0,03%0,38%-0,65%2,50%
Recife-0,04%0,10%0,30%3,29%
Niterói-0,33%-0,22%-2,32%2,03%
Vila Velha-0,77%0,37%1,73%6,66%

E agora veja o preço médio do metro quadrado anunciado em cada cidade em junho de 2015:

RegiãoPreço médio do metro quadrado (R$)
Rio de Janeiro10.643
São Paulo8.593
Brasília7.969
Niterói7.684
Média Nacional7.608
Florianópolis6.178
Recife6.018
Belo Horizonte5.914
São Caetano do Sul5.701
Fortaleza5.681
Porto Alegre5.405
Campinas5.258
Vitória5.229
Curitiba5.161
Santo André4.999
Santos4.900
São Bernardo do Campo4.709
Salvador4.639
Vila Velha4.254
Goiânia4.162
Contagem3.550

O Índice FipeZap tem dados disponíveis sobre São Paulo e Rio de Janeiro desde janeiro de 2008. Para Belo Horizonte, a série histórica começa em maio de 2009. Para Fortaleza, em abril de 2010; para Recife em julho de 2010; e para o Distrito Federal e Salvador, em setembro de 2010.

Os municípios do ABC Paulista e Niterói têm dados disponíveis desde janeiro de 2012. Vitória, Vila Velha, Florianópolis, Porto Alegre e Curitiba têm séries históricas iniciadas em julho de 2012.

O indicador elaborado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) em parceria com o site de classificados Zap Imóveis, acompanha os preços do metro quadrado dos imóveis usados anunciados na internet, que totalizam mais de 290 mil unidades por mês.

Além disso, são buscados também dados em outras fontes de anúncios online. A Fipe faz a ponderação dos dados utilizando a renda dos domicílios, de acordo com levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Fonte: Exame
Moisés Cainãn Gerente de Marketing | Diretor de Arte

Formado em Administração, Design Gráfico, Web Design e Pós-Graduado em Mídias Digitais é atualmente Gerente de Marketing e Diretor da Arte na Imobuy Imobilíaria.
marketing@imobuy.com.br

24/06/2015

Você sabe atrair e fidelizar seus clientes?


Conquistar um cliente não é tarefa simples nos dias de hoje. Com diversas opções no mercado, a tendência é que as pessoas cada vez mais façam pesquisas e se mostrem exigentes na hora de fechar um negócio, especialmente quando se trata de algo de grande valor como um imóvel. Por isso, o profissional que quer se diferenciar precisa estar atento e tomar as atitudes certas. Ele precisa mostrar quem tem um “algo mais” e somente assim poderá atrair e fidelizar novos compradores.

Quer aprender dicas certeiras de como fazer isso? Confira no artigo a seguir:





Invista no relacionamento com o cliente

O primeiro passo para conquistar e fidelizar seus clientes é estabelecer uma relação de confiança. E, para isso, é preciso humanizar o processo de venda.

A compra de um imóvel é algo muito importante, que tem poder de mudar a vida do comprador. Por isso, invista em um atendimento de qualidade, busque sanar as dúvidas e tenha o conhecimento necessário não só do imóvel, mas do mercado de uma forma geral.



Interprete as necessidades do seu público

A melhor maneira de manter um cliente com você é sabendo interpretar os desejos e anseios dele como ninguém. Cada um vai ter um objetivo na aquisição do imóvel, e o corretor inteligente precisa saber oferecer ao certo o que ele realmente quer.

Uns almejam segurança e conforto, enquanto outros querem praticidade e bom preço. Sendo assim, decifrar as motivações de compra é essencial para buscar no mercado aquilo que melhor combina com o perfil desse comprador. Dialogue, pergunte, estimule, se adapte. O vendedor que melhor fizer isso definitivamente será aquele que terá as maiores possibilidades de conquistar a fidelização.

Tenha uma boa conduta no dia a dia  

A conduta do corretor também é muito importante para atrair clientes. Quem não mostra uma postura profissional, ética e correta, definitivamente vai perder espaço no mercado. O vendedor precisa inspirar confiança, conhecimento, empatia e ser uma pessoa acima de qualquer suspeita. Dessa maneira, os clientes só vão falar bem e indicarão você aos conhecidos por se tratar de um corretor diferenciado: é o marketing boca a boca em ação.

Estude

Antes de ir ao imóvel com um possível comprador, faça uma visita no local para ir se familiarizando com o ambiente e analisar ao vivo as condições. Conheça a região também, para poder falar dos benefícios e conveniências do local. Além disso, é interessante montar um roteiro de apresentação que você siga durante a visita.



Lembre-se do pós-venda

Tendo seguido essas dicas, é muito provável que você consiga fechar a venda com o cliente. No entanto, isso não quer dizer que suas tarefas acabaram por aí! Um bom pós-venda também ajuda a garantir a preferência desse comprador para futuros negócios e a sua indicação para terceiros, com a certeza de que você poderá oferecer o melhor. Mantenha o contato, mostre-se solícito e esteja disponível: construindo uma relação duradoura, seus lucros poderão ser muito maiores.

Essas são as melhores dicas para atrair e fidelizar seus clientes. O corretor inteligente pode fazer a diferença e achar seu lugar no mercado, garantido muito mais sucesso na sua profissão.
Moisés Cainãn Gerente de Marketing | Diretor de Arte

Formado em Administração, Design Gráfico, Web Design e Pós-Graduado em Mídias Digitais é atualmente Gerente de Marketing e Diretor da Arte na Imobuy Imobilíaria.
marketing@imobuy.com.br

15/06/2015

Momento é oportuno para compra de imóveis de até R$ 400 mil




O pacote de incentivo aosetor imobiliário, anunciado pelo governo no fim de maio, reabriu uma oportunidade para quem deseja financiarimóveis de até 400 mil reais, mesmo em um momento no qual o crédito ficou mais caro e escasso.

Uma das medidas anunciadas pelo governo foi a liberação de mais de 4,2 bilhões de reais para a linha de financiamento imobiliário Pró-Cotista FGTS.

Além de cobrar taxas de juros mais acessíveis do que as praticadas no Sistema Financeiro de Habitação (SFH), a linha permite financiar até 90% do valor do imóvel noBanco do Brasil e até 80% na Caixa, seja ele novo ou usado, mas desde que o valor da unidade seja limitado a 400 mil reais.

A Pró-Cotista, que é restrita a trabalhadores que têm conta vinculada ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) há mais de três anos, ficou suspensa no Banco do Brasil entre junho do ano passado até fevereiro deste ano, segundo fontes do mercado. Pouco antes da suspensão, consumidores chegaram a dar entrada para obter o crédito, mas não conseguiram concluir o processo.

Procurado, o banco confirma, em nota, que “deixou de operar (a linha de financiamento) momentaneamente em alguns meses de 2014, quando foi atingido o limite disponibilizado para a linha pelo fundo gestor”. O BB afirma que, desde o início do ano, “a linha sempre esteve aberta”, e agora, com o anúncio de recursos adicionais, “espera continuar operando (a linha)”.

Já a Caixa diz, em nota, que o programa está ativo, com operações regulares, após a liberação dos recursos do fundo para 2015. O banco não diz se a linha chegou a ser suspensa no ano passado.

Para Marcelo Prata, diretor do Canal do Crédito, site que compara financiamentos imobiliários, a medida amplia o acesso à Pró-Cotista tanto na Caixa como no Banco do Brasil, os dois grandes bancos que oferecem a linha atualmente.
"A Caixa irá focar mais na linha para compensar a falta de recursos para financiar imóveis no SFH, enquanto o Banco do Brasil também deve passar a conceder mais empréstimos na linha com o objetivo de ganhar mercado em relação â Caixa", diz Prata.

No entanto, ao mesmo tempo em que o conselho curador do FGTS ampliou o orçamento da linha, como parte do pacote imobiliário, ele baixou a régua do valor do imóvel que pode ser financiado na linha para 400 mil reais.

Antes, a Pró-Cotista admitia imóveis de até 750 mil reais em Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal, e de até 650 mil reais nos demais estados, os mesmos limites de enquadramento dos financiamentos pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH).

Segundo o conselho do FGTS, a maior liberação de recursos, combinada à restrição no valor dos imóveis aceitos pela Pró-Cotista, tem o objetivo de direcionar o crédito a uma das camadas da sociedade na qual o déficit habitacional é maior, a classe média.

Principais atrativos

A linha Pró-Cotista FGTS cobra taxas de juros menores por conta de um subsídio oferecido aos cotistas do FGTS, que geralmente são trabalhadores formais, com carteira assinada e que realizam obrigatoriamente contribuições mensais ao fundo, equivalentes a 8% do valor do salário.

São enquadrados ainda trabalhadores rurais, temporários e atletas profissionais, que também fazem contribuições ao fundo. Para empregados domésticos, a contribuição ao FGTS é opcional.

Na Caixa, a taxa de juros cobrada na linha para quem não tem relacionamento com o banco, a chamada taxa balcão, é de 8,85% ao ano e, no Banco do Brasil, de 9% ao ano. Em financiamentos no SFH, a taxa balcão cobrada pelos bancos sobe para 9,45% ao ano na Caixa e 9,90% ao ano no BB.

Caso o comprador tenha relacionamento com a Caixa, por exemplo, os juros cobrados na linha Pró-Cotista podem ser menores e chegar a 7,85% ao ano. Essas taxas já eram oferecidas pelos bancos no ano passado, antes dos aumentos da taxa Selic registrados neste ano.

Além de juros mais baixos, o grande atrativo da linha é o porcentual do valor do imóvel que pode ser financiado - tanto para imóveis novos, como usados - que chega a 90% no BB e 80% na Caixa.

Recentemente, a Caixa passou a emprestar no máximo 50% do valor da unidade para aquisição de imóveis usados que estejam enquadrados no SFH. Ou seja, além do programa Minha Casa Minha Vida (que financia imóveis de até 190 mil reais) a linha Pró-Cotista é a única alternativa para quem pretende comprar imóveis usados na Caixa, mas não tem capacidade de arcar com as entradas de 50% do valor do imóvel.

O prazo máximo de financiamento oferecido na linha em ambos os bancos públicos é de até 360 meses.

Requisitos

Para ter acesso à linha de crédito Pró-Cotista FGTS, é necessário ter contribuído ao FGTS por mais de três anos, consecutivos ou não, na mesma empresa ou em empresas diferentes.

Caso se enquadre nessa exigência, a conta vinculada ao fundo deve estar ativa, ou seja, o trabalhador deve estar empregado e realizar atualmente contribuições mensais ao FGTS; ou ter conta inativa, mas com saldo equivalente a 10% do valor do imóvel, caso esteja desempregado ou não contribua atualmente para o FGTS por estar trabalhando sob outro regime de trabalho, por exemplo.

Não há restrição com relação à renda familiar dos compradores, desde que o imóvel financiado não tenha valor maior do que 400 mil reais.

Mas o comprador não pode ter outro financiamento de imóvel e nem ser proprietário de outra unidade residencial urbana, concluída ou em construção, na mesma cidade, em municípios limítrofes ou na região metropolitana da cidade onde vive. Preenchidos os requisitos, o uso do saldo do FGTS no financiamento é opcional.

Oportunidade limitada

Mesmo com recursos adicionais, a possibilidade de financiar imóveis na linha Pró-Cotista FGTS deve ter prazo limitado, de acordo com Marcelo Prata, diretor do Canal do Crédito.

Ele afirma que o aumento do desemprego no país pode elevar o saque de recursos do FGTS. “O aumento dos saques pode fazer com que os recursos do FGTS destinados ao financiamento imobiliário voltem a secar”, diz Prata.

Para quem se enquadra nas condições da linha Pró-Cotista, Prata recomenda aproveitar a oportunidade. “É o dinheiro mais barato que esse comprador consegue acessar atualmente. No entanto, os recursos são limitados”.

Como as restrições de crédito em outras linhas reduzem a demanda por casas e apartamentos, o momento pode ser favorável para a compra, pois amplia a possibilidade de negociação de descontos nos preços das unidades, diz Prata.

Por outro lado, financiar o imóvel agora não é indicado caso o comprador esteja inseguro em relação à manutenção do seu emprego nos próximos meses.

Nesse caso, quem não tem reservas financeiras para suportar o pagamento das prestações da dívida diante de um eventual desemprego, pode ser melhor adiar a compra e juntar um valor maior para dar como entrada e reduzir o débito.

Moisés Cainãn Gerente de Marketing | Diretor de Arte

Formado em Administração, Design Gráfico, Web Design e Pós-Graduado em Mídias Digitais é atualmente Gerente de Marketing e Diretor da Arte na Imobuy Imobilíaria.
marketing@imobuy.com.br

03/06/2015

Procura pelo primeiro imóvel cresce em Goiânia - Jovens são os principais compradores




Goiânia - Oito em cada dez famílias pretendem comprar a primeira casa nos próximos dois anos. O levantamento é do Instituto Data Popular. Em Goiânia, só no ano passado, imóveis financiados corresponderam a 47% de todos os financiamentos da Caixa Econômica Federal feitos com o FGTS. Em valores, as aquisições correspondem a quase R$ 79 milhões.

"Essa procura vai crescer ainda mais", prevê o diretor de mercado inombiliário da CMO Construtora, Marcelo Moreira. Ele ressalta que os jovens são os principais compradores de imóvel atualmente. A faixa etária inclui solteiros e pessoas que constituiram família nos últimos quatro anos, com idade entre 25 e 45 anos.

Os número da Caixa Econômica Federal  reiteram a observação de Marcelo. Em 2014, 64,76% das simulações de financiamentos feitas pelo portal do banco em Goiânia virem de pessoas com até 35 anos de idade. A renda média dos interessados variou de R$ 3,8 mil até R$ 4,9 e procuravam imóveis na faixa média entre R$ 155 a R$ 186 mil.

Em Goiânia, no Eldorado Parque, 80% de todos os consumidores dos apartamentos estão adquirindo seu primeiro imóvel. O complexo residencial conta com 25 quadras e oferece apartamentos de dois e três quartos no bairro Parque Oeste Industrial.

Atualmente, a região abriga cerca de 12 mil habitantes e o número tende a crescer.. "O interesse pela região cresce cada vez mais. Um dos fatos que chamaram nossa atenção foi a crescente procura também, de pessoas que moram na região central e sul de Goiânia, todas querendo migrar para o Eldorado Parque, explica o diretor da Brasil Brokers, Valoni Procópio.

Fonte: A Redação
Moisés Cainãn Gerente de Marketing | Diretor de Arte

Formado em Administração, Design Gráfico, Web Design e Pós-Graduado em Mídias Digitais é atualmente Gerente de Marketing e Diretor da Arte na Imobuy Imobilíaria.
marketing@imobuy.com.br

25/05/2015

Imobuy oferece desconto para os servidores estaduais




O Clube de Desconto do Servidor da Secretaria de Gestão e Planejamento firmou parceria com a imobiliária Imobuy que oferece desconto de até 25% sobre o valor da tabela na comercialização de apartamentos em um empreendimento imobiliário, no setor Santos Dumont, em Goiânia.

 É a primeira parceira do ramo no Clube de Desconto, que disponibiliza para os servidores estaduais descontos especiais nas áreas de beleza e saúde, alimentação, educação, automóveis (oficinas, seguros e locações), entretenimento e lazer, funerárias, móveis e decorações e comércio eletrônico.

Ex-servidor estadual, o corretor de imóveis Iron Ranulfo Júnior ressalta o valor das parcerias firmadas pelo Clube de Desconto com mais de 100 empresas. “Para o servidor há a vantagem de economizar na compra de produtos e serviços diversos e para as empresas a possibilidade de acesso a novos clientes. Procuramos o Clube de Desconto por acreditar em uma nova visão de mercado, que valoriza as expectativas e trabalha pela satisfação dos clientes. Na Imobuy entendemos que a vontade de atender às necessidades e desejos de nossos clientes deve estar acima da vontade de vender”, afirma.

A empresa está localizada na Av T-4 c/ T-13, Qd 169 A, nº 1478, Loja 01, Ed. Absolut Business Style, Setor Bueno, em Goiânia.
Mais informações: atendimento@imobuy.com.br ; fones:  (62) 3636 0036.

Fonte: Goiás Agora

Gerência de Benefícios ao Servidor


Moisés Cainãn Gerente de Marketing | Diretor de Arte

Formado em Administração, Design Gráfico, Web Design e Pós-Graduado em Mídias Digitais é atualmente Gerente de Marketing e Diretor da Arte na Imobuy Imobilíaria.
marketing@imobuy.com.br

22/05/2015

Resultado Campanha Amobuy Dia das Mães


Mais do que gerar emprego e contribuir para o crescimento econômico da região em que atua, toda empresa tem um papel social a desempenhar. Acreditando nisso, criamos o AMOBUY, o coração social da IMOBUY. Através dele, diferentes instituições e comunidades carentes são beneficiadas através ações que atendam especificamente as necessidades de cada instituição. 

Com o intuito de tocar o coração das pessoas e dar carinho e atenção às mães enfermas que estão no Hospital Araújo Jorge, criamos a Campanha Amobuy Dia das Mães arrecandando fraldas geriátricas, toalhas, atenção e carinho, sendo estes os materiais de extrema necessidade para o hospital

Foram somente 2 meses de campanha divulgados através de emails, redes sociais, boca-a-boca e banners nos pontos de coleta em vários locais da cidade, tais como: plantões de construtoras parceiras, dentro da própria imobiliária e até na sede administrativa da CELG que se solidarizou e abraçou esta campanha com muito carinho e dedicação. Recebemos até ligações de pessoas de outros estados interessados em ajudar, pessoas anônimas deixando sacoladas de fraldas e grupos de igrejas que participaram do sucesso desta campanha.

Total de fraldas arrecadadas: 800 unidades (Quem realizou toda a contagem das doações foi o hospital que passa como unidade, pois é desta forma que é repassado para o paciente);

Toalhas: 34 toalhas de banho.

No ano passado fizemos uma campanha no Natal para o mesmo Hospital arrecadando alimentos, roupas e outros materiais. E não pretendemos para por aí, o plano até o final do ano é realizar mais 3 campanhas, Dia dos Pais, Dia das Crianças e Natal com um tempo maior de divulgação e mais locais de coleta de doações espalhados pela cidade.

O melhor de tudo isso é a mágica em pensar no próximo como em nós mesmos, e a oportunidade de ver um sorriso no rosto de todos que de certa forma ajudaram.
Ficamos muito felizes com o resultado e agradecemos a todos que fizeram doações.

Muito obrigado e até a próxima.










Moisés Cainãn Gerente de Marketing | Diretor de Arte

Formado em Administração, Design Gráfico, Web Design e Pós-Graduado em Mídias Digitais é atualmente Gerente de Marketing e Diretor da Arte na Imobuy Imobilíaria.
marketing@imobuy.com.br

06/05/2015

Campanha Amobuy Dia das Mães


A campanha Amobuy do Dia Das Mães está a todo vapor! Vamos ajudar que ainda é tempo!
A Imobuy Imobiliária está arrecadando toalhas de banho e fraldas para o Hospital Araújo Jorge. Esse é o tipo de material que eles mais precisam hoje em dia.
Colocamos pontos de coleta espalhados em Goiânia e estamos divulgando nas Redes Sociais e por email.
Ao lado dos banners colocamos uma caixa para coletar todo o material doado.
Estamos esperando a sua doação.



Moisés Cainãn Gerente de Marketing | Diretor de Arte

Formado em Administração, Design Gráfico, Web Design e Pós-Graduado em Mídias Digitais é atualmente Gerente de Marketing e Diretor da Arte na Imobuy Imobilíaria.
marketing@imobuy.com.br

Saiba como cuidar do seu carro


Engenheiro mecânico dá dicas importantes para quem trabalha com seu automóvel e transporta clientes

Todo automóvel precisa de manutenção preventiva para evitar danos e falhas. Quem não faz manutenção pode ter problemas graves, e aqueles que trabalham o dia inteiro com o carro na rua, muitas vezes levando clientes para conhecer imóveis, devem ter mais cuidado ainda.

A revisão preventiva é importante para o transporte do profissional e dos seus clientes (Fotos: Shutterstock)

Segundo o engenheiro mecânico Rubens Venosa, a manutenção corretiva é mais cara que a preventiva. “O motorista precisa ficar atento a itens básicos, como água do radiador, o nível do óleo, os filtros de ar, óleo e combustível, além da calibragem dos pneus”, alerta. Revisões preventivas devem ser feitas a cada 10 mil quilômetros. Isso é importante para o transporte do profissional e dos seus clientes.

Também é necessário ficar atento aos prazos. Muitas vezes o corretor roda pouco com o carro e não atinge a quilometragem para a troca, mas se esquece de que o óleo vence também por prazo, são seis meses, 5.000 ou 10.000 quilômetros, dependendo do modelo. Isso deve ser checado no manual do veículo.

Venosa lembra que o uso do carro em condições severas exige que o período de troca seja diminuído em 50%. “Podemos considerar condição severa o uso de profissionais como taxistas, vendedores ou corretores, que dirigem em baixa velocidade, no anda-e-para das grandes cidades, e ficam sob o sol com o ar-condicionado ligado”, explica.

Para ajudar na economia de combustível, é importante substituir as velas a cada 20 mil km. Não se deve esperar o motor começar a falhar para trocar as velas. Além disso, a troca do filtro de ar e a calibragem dos pneus também são fundamentais para reduzir o consumo de combustível. A estimativa é de que cada libra a menos represente 15% a mais de uso de combustível. A falta de calibragem adequada também compromete a dirigibilidade e a segurança do carro.

Lembre-se de sempre verificar o nível da água para evitar superaquecimento


Toda vez que você for encher o tanque do veículo é bom olhar o nível de água para evitar superaquecimento. Vale ressaltar que, se você tiver de repor água e óleo com frequência é importante procurar um mecânico, pois isso não é normal.

Não se esqueça também de checar as palhetas dos limpadores de para-brisa e traseiro. Elas devem ser trocadas uma vez por ano. Normalmente só nos lembramos disso quando pegamos um temporal no caminho.

Verifique também com regularidade as lâmpadas de faróis, lanternas e luz de freio e de ré. Os freios devem ser checados a cada 10 mil quilômetros, assim como a suspensão e o alinhamento do carro.

Verifique se a posição dos bancos e dos equipamentos estão adequados


Para ter mais conforto e evitar dores no corpo ao dirigir, a sugestão é posicionar corretamente o banco e os equipamentos, como espelhos. Manter o amortecedor em dia também evita oscilações. Se os amortecedores não estão bons, a impressão que se tem é que você está dentro de uma carroça.

“Quando se usa o carro como ferramenta de trabalho, ele deve estar em ótimas condições, limpo, higienizado e com as revisões em dia”, reforça. Um carro sujo ou batido causa má impressão. Se possível, opte por carros médios, que oferecem mais espaço e conforto para você e seu cliente.

Fonte: ZapPro
Moisés Cainãn Gerente de Marketing | Diretor de Arte

Formado em Administração, Design Gráfico, Web Design e Pós-Graduado em Mídias Digitais é atualmente Gerente de Marketing e Diretor da Arte na Imobuy Imobilíaria.
marketing@imobuy.com.br